Museu Padagógico Das Drogas - Araçatuba/SP
Ecstasy: a "droga do amor"
O princípio ativo do ecstasy é o MDMA (metileno-dimetoxi- metanfetamina), que estimula a produção de serotonina no cérebro, substância responsável pela sensação de prazer. A sensibilidade do usuário aumenta, as luzes ficam mais fortes, o corpo amolece e, por isso, o ecstasy é chamado também de droga do amor.

Por causa destas mudanças de percepção, a pílula é consumida principalmente pela moçada da noite, que freqüenta locais onde a música ecoa em todo o ambiente e as luzes são intensas. A droga estimula o sistema nervoso central (SNC) e, ao mesmo tempo, produz alterações sensoriais podendo chegar até à alucinação.

"Sinto muita vontade de dançar, pular e beijar. Fico mais carinhoso, mas tenho que beber muita água porque a boca fica completamente seca", relata Marcelo*, 22 anos. Usuário da droga há cerca de um ano, Marcelo só toma o ecstasy antes de sair para a balada. "Não sou viciado, nem nunca vou passar mal, pois não tomo E (ecstasy) direto", comenta. Marcelo está enganado.

A droga, mesmo consumida em pequena quantidade, aumenta o número de batimentos cardíacos, eleva a pressão arterial e produz elevação da temperatura que pode levar a acessos convulsivos. A droga descontrola a temperatura do corpo, às vezes causando uma febre de até 42 graus, e leva a uma intensa desidratação. Se quem o tomou não souber como se cuidar, pode até chegar à morte por causa disso.

O ecstasy é super tóxico para os rins e fígado. No entanto, começa a se tornar cada vez mais popular. Sob a forma de comprimidos, o "E" é encontrado com diversas variações temáticas. Eles possuem desenhos que, segundo alguns usuários, mostraria os efeitos de cada pílula. O coração para o amor, a coroa para o poder, etc.

Entretanto, não se engane. Esta sensação de poder e carinho é falsa. Ela não parte naturalmente de você, é uma conseqüência química. Ah, e além de durar poucas horas, o ecstasy pode trazer problemas sérios à saúde como crises bulímicas, descontrole da pressão sangüínea, impotência temporária, febre alta e intensa desidratação. Além disso tudo, é comum a perda por algum tempo do controle sobre os seus músculos, o que é um grande risco já que você se machucar sem conseguir comandar direito o seu corpo.

Veja Mais:
Ecstasy: a "droga do amor"
Poppers: novo lança-perfume?
GHB: A droga da vaidade

Fale conosco:pauta@pautaantidrogas.com.br
   
Copyright © 2000 - Pauta Antidrogas
Todos os direitos reservados. WebSite desenvolvido por: EQUIPE PAUTA ANTIDROGAS
Sun Line Internet