Ao tentar ajudar um amigo envolvido com drogas, não podemos nos comportar como alguém que, não sabendo nadar, pula no rio para salvar o amigo que se afoga.
O que se vê nesses casos é ambos sucumbirem às águas, falecendo.
Por isso, para livrar o amigo desse que tem sido considerado o mal do século, é preciso conhecer muito bem o assunto, estar em paz consigo mesmo para conscientemente auxiliar o próximo.
De qualquer forma, o importante é que não podemos nos omitir e se não temos condições de recuperar o amigo, precisamos, sempre, insistir para que ele concorde em buscar ajuda de especialista em tratamento de dependência, sem o que dificilmente conseguirá sair da prisão psicológica, onde impera a vontade da química e não a própria.
Muito oportuna e cabe aqui salientar, a frase tema do projeto de prevenção às drogas, adotada este ano pelo Conselho Municipal de Entorpecentes de Marilia, precisamente...

COMO AJUDAR UM AMIGO SEM SER O "DEDO-DURO"

Alguns de vocês já se depararam ou estão se deparando com a descoberta de que um amigo ou pessoa próxima é um usuário de droga. E aí? O que fazer neste momento?

Na enquête, sobre este tema, realizada no site, percebemos que a maioria dos votantes (51,33%), afirmam que falariam diretamente com a pessoa, o adicto. Outros 43,36%, falariam com a família do usuário. Uma pequena parcela (4,42%), mas ainda existente, se omitiria, e 0,88% falariam com a escola ou empresa na qual o individuo estuda ou trabalha.

E você? O que faria ou o que vai fazer?

Bem, diante de uma situação delicada como essa, vários aspectos podem ser analisados. Qual o seu grau de comprometimento, carinho, preocupação com aquele que está envolvido com as drogas?Qual a sua proximidade e intimidade com a pessoa? É importante saber as respostas destas perguntas, pois você vai entrar num campo complexo, que é o de ajudar uma pessoa que muitas vezes não acha que precisa de ajuda, o que pode abalar profundamente a relação de vocês. Antes de tomar qualquer atitude, perceba que você está lidando com um problema extremamente sério, e que nem sempre temos a felicidade de sermos bem recebidos pelo usuário, que em muitas das vezes nega seu estado avançado de dependência física e/ou psíquica.Porém, volto sempre a enfatizar, que a adicção é uma doença crônica e precisa ser levada a sério e tratada como tal. Não se esqueça disto!

Você pode se questionar se vai ser um "dedo-duro" ou um intrometido ou que vai perder a amizade da pessoa, caso você toque neste assunto... mas pense bem, não é bem provável que você perca a pessoa como um todo, se ela continuar a se envolver com as drogas?

Quando nos importamos verdadeiramente com uma pessoa, não deveríamos estar preocupados com o que egoisticamente poderíamos perder, mas sim o quanto podemos ajudá-la ao tentarmos mostrar um caminho diferente daquele que ela vem percorrendo e que aos poucos, ou rapidamente, vem destruindo a vida dela.

Agora que você já se deu conta de que nem sempre a ajuda é bem vinda e que sua tentativa pode ser bem frustrante; você ainda acha que vale a pena tentar?

Espero que sim, pois se não acreditarmos que existe recuperação para esta doença, é melhor permanecermos omissos, como os 4,42% da enquête, e não nos arriscarmos a sofrer junto com a pessoa com a qual nos preocupamos tanto.

Bem, tomada a decisão de que você quer realmente ajudar um amigo adicto, tente primeiro conversar com ele. Pois, ele é a pessoa mais interessada neste assunto, ele tem um problema muito sério, e enquanto ele não se der conta disso, fica extremamente difícil alguém ajuda-lo a fazer alguma coisa pela sua vida.

Converse francamente, tente entende-lo, e ao mesmo tempo, mostre a ele que existem outras maneiras de resolver os problemas ou de curtir a vida. E que se o organismo dele já está dependente das drogas, faça-o lembrar da época em que essas substâncias não faziam parte de sua vida e que ele vivia muito bem sem elas.E que finalmente, existem tratamentos para que estas substâncias diminuam seu poder de sedução e dependência no organismo.

Incentive-o a pedir ajuda a pessoas de confiança, da família ou não, e a procurar ajuda de profissionais. Se hoje, existem técnicas, medicamentos e especialistas adequados para a recuperação, então porque não lançar mão delas?!

Se a resposta de seu amigo for completamente negativa, não hesite em avisá-lo que você poderá falar diretamente com a família dele. Sem ameaça, sempre mostrando que ele tem um problema e que você irá fazer de tudo para ajudá-lo.

Caso este seja o próximo passo, descubra quem é a pessoa na família em quem ele mais confia, um irmão(ã), um tio(a), pai, mãe, um primo(a), e recorra a ela. Lembre a este familiar que o vínculo de confiança e carinho são muito importantes na recuperação de um usuário.

O medo de ser o causador de uma decepção familiar pode ser uma grande barreira para que o adicto se abra com a família. No entanto, enquanto o usuário esconde-se atrás deste medo, o seu vício e sua vida tendem a se descontrolar. Será que vale a pena esperar ele resolver?

É uma luta pela vida. Se você ainda não havia descoberto um sentido para se envolver com um amigo desta maneira, até para ser chamado de "dedo-duro" por este mesmo amigo, acabamos mostrar que você pode estar ajudando uma pessoa querida a dar o primeiro passo. Depois é só acompanhar e torcer para que ele tenha força para continuar lutando pela própria vida.

Este artigo foi escrito por Daniela Efeiche Zahr, psicóloga e membro da Equipe do Diga Não às Drogas

 
Fale conosco:pauta@pautaantidrogas.com.br
   
Copyright © 2000 - Pauta Antidrogas
Todos os direitos reservados. WebSite desenvolvido por: EQUIPE PAUTA ANTIDROGAS
Sun Line Internet